Mapeamento aéreo com drone: qual o modelo ideal?

Não dá para negar que os VANTs têm tomado cada vez mais seu espaço em diversos setores de atuação, promovendo avanço e soluções inovadoras. A alta demanda por esse equipamento faz com que o mercado tenha diferentes modelos de drones para oferecer,  deixando a dúvida de qual o modelo ideal para produzir o mapeamento aéreo com drone.

Na hora de escolher seu drone para mapeamento, existem alguns pontos a ser considerados para identificar qual o modelo ideal para seu negócio. As características do ambiente a ser mapeado e aplicações como meio ambiente, mineração, engenharia, agricultura, mercado industrial ou imobiliário, entre outros, determinam qual o modelo de drone ideal.

Tratando-se de mapeamento aéreo, a grande autonomia é um fator muito importante. Quando falamos de autonomia, nos referimos à bateria e ao tempo em que o drone consegue se manter em funcionamento. Sendo assim, quanto maior esse tempo, maior a capacidade de cobertura em áreas extensas sem a necessidade de outras operações.

Sendo a autonomia do drone um dos pontos mais relevantes na escolha do modelo adequado para determinada aplicação, a velocidade em que ele opera também se torna um ponto a ser avaliado para obter voos mais ágeis, garantindo uma coleta com precisão em menor tempo.

O ponto inicial a ser considerado na hora de verificar qual drone se encaixa no que você precisa é o tamanho da área que será mapeada. Drones com menor autonomia exigirão mais sobrevoos e, consequentemente, mais tempo para conclusão da coleta de dados.

No mercado de VANTs, encontramos dois principais modelos: os de asas fixas e os multirrotores. Drones de asas fixas necessitam de maior espaço para pouso e decolagem; já os multirrotores, que pousam na vertical, não precisam de grandes espaços, o que faz com que sejam mais indicados para áreas montanhosas, com prédios, muita vegetação ou pouco espaço para pouso e decolagem.

Outro ponto que deve ser considerado é a qualidade das imagens coletadas pelo sensor do drone. Existem diversos tipos de sensores, que coletam diferentes tipos de imagens, sendo os mais comuns a câmera (20, 24, 36 e 42 MP) e o NIR (20 e 24 MP). Por isso é de grande importância considerar a capacidade do sensor do drone e quais tipos são compatíveis com ele antes de escolher o seu.

Não é qualquer VANT que comporta todos os sensores necessários para seu negócio, essa possibilidade normalmente é encontrada em drones de asas fixas. Um sensor de má qualidade pode comprometer o mapeamento, fornecendo imagens distorcidas. Atente-se, por exemplo, à lente da câmera — as que possuem foco fixo apresentam qualidade superior às de zoom variável.

Depois de analisar todas as suas necessidades e descobrir, entre tantos modelos, o mais adequado para seu negócio, ainda terá o valor de investimento para te ajudar a decidir. Leve em consideração o fabricante e converse com quem já trabalha com determinadas marcas e modelos que você possui interesse em adquirir para conhecer melhor a qualidade e o suporte que a empresa oferece no pós-compra.

Uma ótima opção de drone para mapeamento são os que possuem autonomia de uma hora ou mais, com manuseio e transporte simples e descomplicados. A Nuvem UAV possui dois modelos de VANT: o Batmap, que possui asas fixas; e o Spectral, de asas rotativas (multirrotor).

Drone multirrotor da Nuvem UAV

Desenvolvido para ser prático, o Spectral possui frame dobrável para facilitar o transporte e conta com todos os itens necessários para a operação em sua HardCase. Quebrando todos os paradigmas, o drone Spectral é capaz de voar durante 60 minutos (em condições reais) carregando um sensor multiespectral, quase 4x mais tempo de voo do que os drones convencionais.

Em áreas menores e/ou com obstáculos como prédios, montanhas, vegetação, entre outros, o drone Spectral é um ótimo aliado. Além de efetuar o pouso na vertical, permitindo fazê-lo em qualquer local, é uma excelente opção para quem prefere um modelo mais leve e compacto.

Drone de asa fixa da Nuvem UAV

A Nuvem UAV possui dois modelos de asas fixas: o Batmap I e o Batmap II. Ambos possuem câmera RGB de 24.3 megapixels (Sony A6000), que garantem imagens nítidas, sem distorções mesmo em condições de ventos. Operam com teto de 3.500 m (ASL) e possuem estrutura em fibra de carbono e EPO, um material leve e resistente a impactos.

O Batmap I possui autonomia de 90 minutos, garantindo maior cobertura, podendo mapear até 4.200 hectares em apenas um voo e apresenta pouso de barriga. O Batmap II conta com autonomia de 150 minutos, com uma das maiores capacidades de mapeamento do mundo em sua categoria (< 4 kg), podendo mapear até 9.340 hectares. Seu pouso é executado com paraquedas, oferecendo segurança ao equipamento.

O Batmap II oferece precisão sem pontos de controle, com PPK (Correção RTK pós-processada) e acompanha em seu kit uma base GPS L1, responsável por corrigir as coordenadas do GPS embarcado na aeronave logo após o voo.

Com a Nuvem UAV, você conta com um suporte personalizado e eficiente. Conheça mais benefícios e entre em contato.

  • Share post